Photo by Glenn Carstens-Peters on Unsplash

Meta Artigo

Um artigo com dicas sobre escrever artigos!

Cada escritor tem sua forma de contar uma história, ou sua forma de transmitir uma ideia. Todo texto traz alguma informação, alguma opinião e algum contexto por trás. E não existe uma forma correta ou errada — apenas maneiras diferentes de se comunicar.

O que acontece é que expressões, referências, entonações, linguagens… tudo isso cria um tom no seu texto e transparece certas coisas para os leitores.

Então aqui hoje vou contar alguns dos pontos que eu considero importantes na hora de escrever um texto, em especial pra ser publicado na internet, algumas dicas de como transmitir suas ideias, e como prender a atenção do leitor ao seu conteúdo.

Qual o seu público alvo?

Basicamente: Pra que você está escrevendo?

Diferentes grupos tem interesses e linguagens distintos

Dependendo de pra quem você escreve, você tem que pensar tanto no background de conhecimento dessa pessoa, quanto na linguagem que você vai usar.

Eu costumo escrever artigos técnicos na área de programação. Para esses casos, já é esperado que os leitores conheçam um pouco da linguagem que estou discutindo, já saibam um pouco sobre programação em si, então eu posso omitir alguns passos das descrições. Mas se fosse para um público mais leigo sobre o tema, é importante descrever e explicar os tópicos daquilo que você está dizendo.

Vamos, por exemplo, imaginar que estamos escrevendo um artigo sobre astronomia:

"A cor e intensidade luminosa de uma estrela, é indicativo de qual ponto da vida esse corpo celeste está."

"As estrelas podem ter cores e brilhos diferentes. Uma estrela de luz azulada é mais quente que uma de luz avermelhada, e quando medimos essa cor e esse brilho, podemos estimar quantos anos essa estrela tem."

Os dois parágrafos acima dizem essencialmente a mesma coisa. No primeiro, a ideia era estar voltado para pessoas que já tem algum conhecimento em astronomia, então eu omiti a informação sobre estrelas azuis serem mais quentes que estrelas vermelhas.

Já no segundo texto, pensei em um público que talvez não conheça tanto sobre o assunto, então foi importante dizer que estrelas podem ter cores distintas, o que isso significa e o que podemos aprender com isso.

De novo, não há uma forma certa ou errada, mas há uma forma mais adaptada ao público para o qual o seu texto se direciona.

Qual pessoa devo usar?

O que eu quero dizer aqui por "pessoa" é: Escrever na primeira pessoa, ou escrever na terceira pessoa.

- … O quê?

Se você lembra das aulas de português, escrever na primeira pessoa é colocar seu verbos como se você mesmo estivesse falando, e o sujeito das orações é o pronome Eu, mesmo que ele esteja implícito:

"(Eu) Estou escrevendo este texto para conversar um pouco sobre estilos de escrita."

E escrever na terceira pessoa é omitir uma interlocução com você que escreveu o texto e trabalhar de forma impessoal:

"Este texto tem o propósito de discutir um pouco sobre estilos de escrita."

Qual você vai usar depende de qual efeito você quer alcançar com o texto. Você quer contar algo que você fez, estudo e chegou num resultado? Você quer contar qualquer coisa que seja pessoal? Você está dando a sua opinião?Use primeira pessoa.

Agora, se você quer apenas expor um dado ou informação, sem direcionar nada a você enquanto escritor, prefira a terceira pessoa. Mas se você está no Medium, ou escrevendo um artigo de opinião, é a sua opinião ou a sua experiência sendo descrita, prefira a primeira pessoa.

Juízos de Valor

Aqui temos um ponto extremamente importante: juízos de valor. Todo texto traz um conhecimento, uma intenção, e com isso pode colocar pontos da visão do autor, o que ele acha de cada tópico, o que ele aprova ou desaprova, mesmo que de maneiras muito sutis.

- Mas... o que é isso?

É transparecer uma opinião sobre qualquer coisa dentro de um texto. Isso não é necessariamente nem bom nem ruim… Depende do resultado que você quer alcançar.

O que cada parte dos eu texto quer dizer para o seu leitor?

Aqui alguns exemplos, primeiro com juízos de valor bem explícitos:

"Eu não gosto de gatos, prefiro cachorros."

"Cachorros são superiores aos gatos."

Nas duas frases, é muito óbvia a intenção do autor, sobre qual dos bichinhos ele prefere, mas dê uma olhada nos exemplos a seguir:

"Cachorros são legais mas gatos são animais extremamente elegantes."

O uso de alguns adjetivos (extremamente) indica parte da visão de quem escreveu o texto, muitas vezes de maneira subjetiva. A conjunção que liga as duas partes dessa frase (mas) também gera uma comparação. Notando isso, é fácil perceber que essa pessoa gosta mais de gatos do que de cachorros, mesmo sem ter dito isso explicitamente.

E agora um uso, teoricamente, livre de juízo de valor:

"Gatos e cachorros são animais diferentes, e cada um pode ter sua preferência para tê-los em casa."

É sempre muito difícil tentar escrever algo sem transpirar um pouco da sua opinião em cima do conteúdo (por isso eu prefiro textos mais pessoais, onde isso já é esperado). E esses foram exemplos bem simples, mais para mostrar que sobre todo tipo de texto é possível colocar sua opinião por trás nas suas palavras e formas de se expressar.

Por isso, sempre que for reler o seu texto dê uma atenção nos seus adjetivos, nos seus conectivos… eles transparecem alguma opinião a mais? Essa opinião é mesmo o que você queria?

E um outro ponto bem importante pra se pensar: Estou escrevendo como eu mesmo, ou estou escrevendo em nome de algum grupo? Se for em nome de um grupo: cuidado! Garanta que as opiniões do texto expressam as opiniões do grupo como um todo.

Interlocução

Eu, particularmente, gosto de escrever artigos, mesmo técnicos, na primeira pessoa, e desenvolver o decorrer do texto como se fosse um diálogo: ora usando coloquialidades (linguagem mais próxima do falado no dia-a-dia), ora fazendo questionamentos, ora fazendo referências ao próprio leitor.

Diagrama de diálogo do texto e do leitor
Dialogue com seu próprio texto

Este texto foi escrito exatamente assim, se você notar esta frase cria um link com você, leitor, ao falar direcionar o texto a sua pessoa. A famosa: interlocução.

Interlocuções são muito comuns em cartas, de todo tipo: Carta aberta, carta pessoal, convites… Onde você conversa com a pessoa pra quem a carta está sendo enviada.

“Oi Maria! Faz tanto tempo que não escrevo pra você. Venha nos visitar no fim do mês!”

Aqui, não sabemos ao certo quem irá ler o nosso texto, então deixamos de lado o nome da pessoa em si, e usamos pronomes ou tratamentos mais impessoais.

Interlocuções são uma boa forma de prender o leitor e de fazer com que se relacione mais ao seu texto, mas também depende do propósito e da atmosfera que você quer criar com o seu conteúdo!

Quebras de Leitura

Estamos falando aqui hoje de textos escritos na internet, onde a leitura está sendo através de uma tela e que permite exibir essencialmente qualquer coisa. Dependendo do tipo de texto que você está escrevendo, você pode adicionar informações visuais ao texto, como imagens, links, desenhos, áudios…

Diagrama de texto com quebras no meio
Tamanhos de texto, cor, imagens — tudo isso chama atenção

O texto em si deve se visualmente convidativo, então se você está num site, lendo um artigo e alguém rolar a página, só pra dar uma olhada por cima do que se trata, e se deparar com apenas texto isso é pouco convidativo. Mas se no meio houverem imagens, diagramas, explicações, textos em negrito, títulos, subtítulos, quebras de linha… Todos esses componentes se destacam quando você bate o olho em um texto e a visão se foca rapidamente neles antes mesmo de ter lido o texto.

Uma quebra de leitura que as vezes é ignorada são os títulos e subtítulos, mas são essenciais, não apenas para dizer qual o conteúdo vem à frente, eles dão espaço para que o leitor pare um pouco, absorva o que ele acabou de ler, e pronto! Agora posso entrar em outro tema.

É importante também evitar seções muito grandes de texto, seções menores dão a impressão de leitura muito mais rápida.

Identificando o meu tom de texto

Por tom do texto entenda a energia dele. Como o leitor vai se sentir lendo o seu texto? Feliz, triste, cansado, emocionado?

Como você se sentiu ao ler este artigo?

Pra mim, além da sua própria percepção, a melhor forma de identificar o tom do seu texto é: Peça pra um amigo ler! Qualquer pessoa que ler o seu texto vai saber te dizer o que ela sentiu, e você pode avaliar se essa era mesmo a sua intenção.

E o tom do seu texto vem de várias coisas: Como você organiza suas frases, qual o seu vocabulário, a maneira como você usa pontuações (. , ! ? -), os adjetivos que você adiciona, quais são os seus subtítulos…

É importante você encontrar a sua identidade no texto, quem você imagina que escreveu esse conteúdo e se essa pessoa está refletida lá dentro. Eu, em particular, quando escrevo na primeira pessoa eu penso muito em mim mesmo, e meu jeito de escrever é muito próximo da minha maneira de falar. Isso facilita muito a dar o tom que eu quero no conteúdo e pensar em todas as quebras de texto que eu gostaria de fazer.

E sempre tome cuidado para não cair num texto maçante demais, nem num texto que não seja sério o suficiente. Os dois opostos são muito cansativos de ler, e consequentemente mais difíceis de absorver o conteúdo (e até mesmo pode desencorajar a terminar o texto).

Comece bem, termine ainda melhor

O seu título e seu primeiro parágrafo são definitivos. Eles deve refletir o tom e o conteúdo do seu texto, e ainda trazer o leitor pra dentro e convidá-lo a ler mais. Pense em títulos inteligentes, talvez até jogos de palavras, e se o título não for explícito o suficiente, deixem bem claro do que se trata o texto no seu subtítulo.

Tente manter a primeira seção do seu texto curta, mas ainda sim descrever sobre o que você vai falar — muitas pessoas não passam nem do primeiro parágrafo — e é isso que queremos atacar!

E ao final de tudo, faça um apanhado geral do que você falou, lembre o seu leitor que tudo o que ele leu aqui hoje são apenas dicas, dê mais ideias do que ele pode fazer a partir dali, ou até mesmo outras referências e sugestões de leitura. E fique feliz, porque você está enriquecendo o mundo compartilhando um pouquinho do seu conhecimento.

E minha dica final, se você gostaria de escrever mais, é não parar de escrever, com o tempo você mesmo será capaz de notar sua evolução. E leia bastante, pegue referências, e quando estiver lendo perceba a forma como os textos foram escritos e traga para você o que achar que vale a pena para melhorar ainda mais a sua escrita.

Continue escrevendo, e enriquecendo a internet um pouquinho de cada vez.

--

--

iOS Developer @ iFood

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store